• Amanda Santos

Netflix em Números Globais

Atualizado: Jan 20

A Netflix divulgou semana passada dados especiais sobre assinantes do mundo todo, que trazem uma análise interessante sobre o público e o futuro do serviço de streaming.



A Netflix não costuma divulgar seus dados específicos, principalmente de usuários e assinantes. Porém, na semana passada, divulgou uma leva de dados separados por região, que atestam uma mudança percebida também em outros ramos da tecnologia e da comunicação.


Crescimento de um novo público

Estados Unidos e Canadá - o público inicial da Netflix em seu lançamento - continuam sendo os maiores mercados, com 67,1 milhões de assinantes. O segundo maior público é o que a empresa chama de EMEA (Europa, Oriente Médio e parte da Ásia), com 47,4 milhões de usuários. Logo em seguida temos a América Latina (com 29,4 milhões de usuários) e a região Ásia-Pacífico, com 14,5 milhões. O maior fator de interesse, no entanto, está no crescimento de cada região no último ano: enquanto EUA e Canadá cresceram 6,5%, EMEA cresceu 40% no mesmo período. Mas a maior expansão veio justamente da região com menos usuários; na área Ásia-Pacífico, o crescimento foi de 53%. Ao todo, a Netflix revelou ter mais de 158 milhões de usuários pelo mundo.


Novo mercado

Ao analisar o crescimento de cada região, podemos ver que o esperado é que nos próximos anos a liderança em usuários (e por consequência a prioridade) seja outro continente, e não mais o americano. O que é nada menos que uma tendência global, onde o mundo olha para a região Ásia-Pacífico com novos olhos, visando uma economia crescente e uma população sedenta por tecnologia e novidades. Contudo, a mesma região é a terceira (ou penúltima, ficando apenas à frente da América Latina) mais rentável mundialmente para a Netflix, com US$ 9,31 mensais por usuário. Mas isso não é um problema: sendo uma das regiões mais populosas do mundo, o setor Ásia-Pacífico é mais rentável que os outros a longo prazo.


Ainda gigante

Mesmo com o surgimento, nos últimos anos, de concorrentes de peso - como Prime Video, HBO Go e Disney+ - a Netflix deve se manter inatingível pelo menos até 2024, ano em que especialistas preveem que o serviço será superado pelo Disney+. No entanto, os investidores da Netflix não precisam se preocupar tanto assim: apesar do impacto que o Disney+ deve gerar ainda este ano, o download de aplicativos e novas assinaturas se manteve estabilizado, já que é possível manter mais de um serviço de streaming pago ao mesmo tempo. Ainda em números, a Netflix passou o YouTube como plataforma de streaming em que os adultos passam mais tempo.


O futuro do streaming ainda é incerto, e é claro que a Netflix resolveu revelar estes números específicos em frente ao surgimento de novas plataformas com conteúdos vastos e de muita qualidade, e tranquilizar seus investidores. Mas a verdade é que a briga pela atenção ainda deve vir, já que esta vai estar cada vez mais dividida em plataformas diversas.


Aqui na Onze Trinta contamos histórias para todas as plataformas. Você tem uma história para contar? Conheça as possibilidades que a Onze Trinta pode oferecer!

0 visualização