• Amanda Santos

05 de novembro: Dia do Cinema Nacional


Em tempos de questionamentos, a Onze Trinta faz uma retrospectiva da história do cinema brasileiro neste dia nacional.

No mundo, a primeira exibição de cinema ocorreu em dezembro de 1895, em Paris. O Brasil não ficou muito atrás: por aqui a primeira exibição aconteceu no semestre seguinte, em julho de 1896. No entanto, o cinema nacional só iniciou sua história em produções em 1898, com uma série de documentários realizados pelos imigrantes italianos Affonso e Paschoal Segreto. De lá pra cá, muita coisa mudou, e o Cinema Brasileiro é reconhecido por todo o mundo.

Século XX e a Expansão

Um dos principais problemas na expansão das salas de cinema era a falta de energia elétrica, ainda não tão acessível no início do século XX. Durantes as décadas de 1920 e 1930, no entanto, o impulso maior foi dado com os ciclos regionais, e com as publicações das revistas Cinema para Todos, Selecta e Cinearte. Foi também nos anos 1930 que surgiu o primeiro grande estúdio do Brasil, o Cinédia.

Atlântida, Vera Cruz e as Chanchadas

É a partir dos anos 1940 que surgem as Chanchadas, filmes de humor de baixo orçamento, que despontaram com a companhia de cinema Atlântida Cinematográfica no Rio de Janeiro (tendo como principais atores nomes como Oscarito e Grande Otelo). Até a década de 1950 a Chanchada fez muito sucesso, e foi nessa mesma década que surgiu o estúdio Vera Cruz, em São Bernardo do Campo, o primeiro nos moldes de Hollywood, e teve Mazzaropi como artista de destaque. Foi do Vera Cruz que saiu o filme O Cangaceiro (1953), primeiro brasileiro a ganhar um prêmio no Festival de Cannes.

Cinema Novo

Na década seguinte (1960) o cinema brasileiro ganha um novo fôlego com “uma câmera na mão e uma ideia na cabeça”, com temas de cunho social e político. Após o golpe civil-militar de 1964, a abordagem desses cineastas centraliza-se na classe média urbana. Nesse período, destaca-se Terra Em Transe (1967) de Glauber Rocha, que busca contornar a censura vista no Regime Civil-Militar. É no final da década de 1960 que é criada a Embrafilme, organismo estatal que financia, produz e distribui filmes, e que traz condições para que a produção nacional se multiplique.

Cinema Marginal e as Pornochanchadas

Alinhadas com o movimento de contracultura, as produções – também conhecidas como Úrdigrudi – apresentavam ideologias revolucionárias e envolvimento com o Tropicalismo (movimento cultural da mesma época). As maiores produtoras dessa vertente foram a Boca do Lixo em São Paulo e a Belair Filmes no Rio de Janeiro e, por conta de seus temas e ideais, sofreram com a forte censura por parte do regime civil-militar. Um filme de destaque desta época é O Bandido da Luz Vermelha (1968). Já no começo dos anos 1970 as produções de destaque eram as pornochanchadas, baseadas em comédias italianas e com forte teor erótico. No entanto, a partir dos anos 1980 essas comédias sofreram uma perda de público com a chegada do cinema pornográfico hardcore, que invadia o país. Mas mesmo assim, filmes como o dos Trapalhões e o sucesso Dona Flor e seus Dois Maridos (1976) atraíam milhões de pessoas para o cinema.

Os Anos de Crise e a Retomada do Cinema Nacional

Os anos 1980 foram marcados principalmente pelo fim do regime autoritário no Brasil e pela grave crise econômica vinda a seguir. Assim, as produtoras não tinham dinheiro para produzir os filmes e, ao mesmo tempo, os espectadores também não tinham condições de assisti-los. A crise se agrava no governo Collor e, além das privatizações, são extintos o Ministério da Cultura, a Embrafilme, o Concine e a Fundação do Cinema Brasileiro. Foi só após a metade da década de 1990, e após o Plano Real que o cinema brasileiro consegue se recuperar, no período conhecido como “Cinema de Retomada”. A partir dessa época é que a produção de filmes cresce, e é criada a Secretaria de Desenvolvimento do Audiovisual, sendo implementada a “Lei do Audiovisual” na nova legislação. É nessa época que o filme Central do Brasil (1998) ganha o mundo com suas indicações ao Oscar.

Século XXI, Cinema Atual e a Pós-Retomada

A partir dos anos 2000 o cinema nacional adquire novamente reconhecimento internacional, com vários filmes premiados em festivais e com indicações ao Oscar. É nesse período que o cinema brasileiro se consolida, mesmo com as crises financeiras e políticas. Com a popularização das salas de cinema e das tecnologias de exibição e transmissão, o cinema também cresce dentro do próprio país. Hoje a produção audiovisual nacional além de rica é plural, com muitos temas, estéticas, personagens e situações. Como destaque, os filmes Cidade de Deus (2002), Carandiru (2003), Tropa de Elite (2007), Que Horas Ela Volta? (2015) e, neste ano, Bacurau (2019).

Na Onze Trinta contamos todas as histórias, em todos os formatos. Tem uma história para contar? Saiba o que a Onze Trinta pode fazer.

#cinemanacional #cinema #cinemabrasileiro #videoclipe #videocultural #video

10 visualizações