Home Onze Trinta Produtora de videos.png

Recent Posts

Para receber nossos posts, cadastre-se.

Encontre pelo tema

Storytelling Estratégico

O storytelling é uma ótima maneira de compartilhar conhecimento. E a arte de contar histórias aproxima as pessoas, podendo ser usada para vender produtos e ideias.

O que é storytelling?

A palavra storytelling significa, em uma tradução literal, “contar histórias”. É se comunicar de uma forma mais aproximada, pessoal e apelativa a quem a história se destina, ou seja, o público-alvo. Para Adenil Alfeu Domingos, professor da UNESP, é possível definir o storytelling como uma negociação constante entre o que é apresentado dentro da narrativa e o leitor/ouvinte/espectador. Não há, nessa narrativa, um “eu” puro: ao contar histórias, o ser humano traz consigo toda a bagagem adquirida pela humanidade, e também as adaptações pelas quais teve que passar para seguir em frente. Para desenvolver um bom storytelling é preciso estar atento para que a história seja envolvente, instigante e com um bom ritmo. Para isso, alguns aspectos devem ser bem observados.


Aspectos de um storytelling

Ao pensarmos em uma narrativa, antes do “quem” vem o “onde”; portanto, o cenário, uma boa ambientação, é o que situa o ouvinte/leitor/espectador na história. Assim quem recebe a história é capaz de identificar e encontrar semelhanças e diferenças entre os locais que já conhece e este local diegético. Determinado o “onde”, temos o segundo aspecto, tão fundamental quanto o primeiro: o “quem”, o protagonista. Um bom protagonista é aquele que gera empatia e identificação, e bons personagens são essenciais para o sucesso da narrativa. O terceiro aspecto é o roteiro, que é o determinante quando falamos em andamento, ritmo e fluidez da história. É onde juntamos o “onde” ao “quem” e fazemos as histórias ganharem vida e, sem um bom roteiro, a história pode ficar confusa, e até se perder, perdendo também a capacidade de comunicação com o público-alvo.


Por que contar uma história?

A ideia por trás do storytelling estratégico é bem simples:por que não aplicar os princípios do storytelling tradicional, que há tanto tempo são usados para a criação de histórias em livros, filmes e até videogames, aos negócios e à estratégia de marketing? Todo mundo se interessa em ouvir uma história e, se bem contada, a narrativa ultrapassa até mesmo seu autor; podemos até esquecer quem contou a história, mas não nos esquecemos dos detalhes e do enredo. E aqui entra a parte mais interessante: é natural do ser humano passar boas histórias adiante. Então contar uma história de uma empresa pode ser o melhor caminho para que esta consiga a aproximação que tanto quer e precisa de seu cliente. Uma boa narrativa de superação, que retorna às origens e que através do apelo emocional gera empatia, aproxima o cliente da marca de uma forma natural.


Colocando o storytelling estratégico em prática

Não existe uma receita de bolo que possa entregar um storytelling perfeito. Afinal, todo o processo depende de bagagens, emoções e interações que geram empatia e identificação. O ideal é que este seja direto, simples, cativante e, o mais importante: real. Um bom storytelling não aumenta ou transforma drasticamente a realidade, e sim a expõe seguindo um roteiro envolvente. Mas, como efetivamente criar este roteiro? Giuseppe Caltabiano, Diretor de Marketing da Rockcontent, apresenta três modelos de abordagens: os de Donald Miller, Robert McKee e Andy Raskin. Esses modelos podem ser combinados e integrados em uma só estratégia, que, segundo o autor, envolve três estágios.


  • Estágio 1: Alvo

O primeiro estágio da estrutura é entender quais são os alvos a serem atingidos: o público-alvo, que é a quem nos dirigimos, as necessidades-alvo, que são o problema e a dor do comprador e as ações-alvo, que é o resultado final, a ação que queremos que o público execute.


  • Estágio 2: Elementos da história

Nesse estágio, a preparação para o assunto da história requer três etapas: descobrir os valores centrais, que são relacionados às necessidades público-alvo, e que devem também estar alinhados aos valores centrais da marca; definir a mudança versus o problema, onde a mudança é o destaque, o que chama a atenção dos clientes e faz com que os clientes em potencial se abram como essa alteração os afeta, e onde eles enxergam oportunidades; por último, finalizar o herói e o mentor, definindo que o protagonista é o cliente, e você, com as suas soluções e mudanças, é o mentor da situação, quem guiará o herói ao objetivo final.


  • Estágio 3: O design da história

É preciso nomear uma mudança no mundo que crie urgência para o cliente em potencial. Para impulsionar o comprador, é preciso mostrar que os vencedores já estão à frente, aplicando os novos conceitos. Como clientes em potencial procuram evitar uma possível perda, é preciso demonstrar que a mudança provavelmente resultará em um futuro altamente positivo. É a hora de mostrar o que está em jogo, utilizando exemplos de sucesso (e que podem estar ou não dentro do mesmo ramo que os clientes em potencial). Para seguir, é o momento de mostrar a terra prometida, uma recompensa que deve superar os obstáculos, ser desejável e difícil para o cliente em potencial sem a ajuda externa. É um novo estado futuro, não necessariamente um produto ou serviço, mas um estilo de vida novo. A apresentação do presente mágico é o ponto seguinte: a marca, a tecnologia, os produtos ou os serviços fornecidos por quem conta a história são as soluções buscadas pelos clientes em potencial para chegar aos resultados.. É preciso deixar claro que ajudar os clientes a conquistar a mudança é a razão pela qual a empresa e os produtos ou serviços que ela fornece existem. E, para finalizar o design da história, é hora de dissipar as desconfianças e apresentar as provas de que a empresa consegue tornar essa história realidade, com depoimentos de clientes e cases de sucesso.


A partir daqui, o roteiro é criado de maneira bem amarrada, e que flui de forma constante para que o cliente (o herói) alcance a mudança. O storytelling, portanto, pode ser entendido como um recurso para se comunicar com seu público através de histórias, que devem ser muito bem contadas. Uma boa história não traz apenas clientes, como também aumenta o tráfego de quem a conta, e ainda ajuda a construir um público próximo, que confie em você e na sua marca.


Na Onze Trinta somos especialistas em contar boas histórias. Converse com a gente sobre nosso próximo projeto juntos.