Produções Televisivas e as Formas de Conteúdo



Estamos habituados às produções televisivas, como séries, novelas e até documentários. É comum escutarmos a mesma frase depois daquela indicação para um amigo: “Tem na Netflix?”. Mas se a gente parar pra pensar em nossos hábitos de consumo no audiovisual (e aqui falamos de consumo de massa, é claro que exceções existem), como a elevação de status da televisão e suas produções alteram esses hábitos? Como a internet influencia o que passa em cada canal? É o que vamos discutir por aqui.


A transformação na TV

A forma como consumimos televisão hoje sofreu grandes mudanças entre o fim dos anos 1990 e o começo dos anos 2000. Segundo Brett Martin, autor de Homens Difíceis (Aleph, 2014) essas mudanças tiveram início quando os canais a cabo passaram a transmitir séries de menor duração que as tradicionais. Assim, de 22 ou mais episódios, passamos a 12, 13, e até menos. Desta forma, cada episódio funcionava como um bloco em si (ou seja, funcionava sozinho), mas que se conectava com o arco completo da temporada, que junto das outras temporadas formava uma história completa. Assim, a televisão passou de mais um eletrônico dentro de casa para o centro das atenções, reunindo famílias e fãs de programas no mundo todo.


O streaming

Já lá pelos anos 2010, a televisão passa por uma nova transformação com a chegada dos serviços de streaming, o espectador ganha o controle total do que deseja assistir. Não precisamos mais esperar dar o dia e a hora de nosso show preferido, ou anotar na agenda quando o filme vai passar; é só pressionar um botão e acessar um catálogo. E é aqui onde tudo muda! Hoje podemos ver que os serviços de streaming fazem parte praticamente de nossa rotina diária, com o YouTube alcançando um tráfego de mais de 1,9 bilhão de usuários ativos e conectados por mês só em 2019.


Migrações

E com o sucesso dos canais a cabo, vários diretores de cinema já consagrados migram para essa nova mídia que antes era tão subestimada. E o próprio desenvolvimento da tecnologia nas televisões - e aqui estamos falando de aspectos técnicos, como nitidez, qualidade de imagem, reprodução de cores - trouxe também a tecnologia do cinema para este novo espaço. Tanto que hoje vemos atrizes, atores, diretores e outros profissionais do cinema transitando entre uma mídia e outra. A televisão também virou um espaço de experimentação, onde os profissionais podem testar diferentes formas de exercer suas funções.


A telona na telinha

Mas a principal mudança que a televisão nos proporcionou foi a possibilidade de consumir conteúdo em telas de diferentes dimensões e em diferentes situações. E é claro que os diretores de arte (falamos sobre a importância deles aqui) precisaram se adaptar. Nem sempre o que é visto na tela grande é absorvido na tela pequena, mesmo que se mantenham as devidas proporções. Temos hoje produções voltadas exclusivamente para os diferentes meios e aparelhos, e a segunda tela (quando o espectador faz uso de uma outra tela para acompanhar bastidores, fóruns, redes sociais e comentários em tempo real) é uma realidade que não pode ser ignorada. Além disso, os diferentes formatos - nos acostumamos com a visão vertical do vídeo - e o hábito de consumir um episódio após o outro nos prende até no transporte público lotado.


Internet

O que podemos esperar para o futuro - e que já começa a acontecer -, é ver a linguagem de internet cada vez mais na televisão, e não o contrário. Memes, vídeos que compartilhamos e até os elementos visuais marcantes na internet, como os emojis, estão cada vez mais presentes nos formatos televisivos. Fora isso, nosso tempo de atenção mudou, e os programas devem acompanhar com mais cores, mais assuntos e outras características. A internet também proporciona a formação de grupos de discussão e encontros entre fãs, e até o contato destes com os criadores e atores de seus programas favoritos. O que se é fora das telas influencia o que será visto nelas, e vice-versa.


Nós consumimos televisão o tempo todo, até mesmo em nossas redes sociais. O formato de vídeo e sua transformação para algo mais acessível e aproximado do público só foi possível graças à televisão que, por ser um veículo de comunicação de massas, deve falar para todos. E foi a televisão que permitiu as experimentações que hoje se concretizam como canais do YouTube, vídeos do Instagram e até as formas de vídeos curtos de redes como o finado Vine e o popular TikTok. E é na televisão que buscamos credibilidade e confiança, não apenas nas notícias, mas também em nossos hábitos de consumo. A televisão pode se transformar, mas não vai embora de nossas vidas tão cedo.


Quer saber como a Onze Trinta pode te ajudar a conseguir aquela comunicação de qualidade para seu produto ou empresa? Acesse nosso site e saiba mais.


Recent Posts

Stay Up-To-Date with New Posts

Search By Tags

Sobre nós

A Onze Trinta é uma produtora de vídeos e também um estúdio de design e animação. Já são 12 anos movidos pelo desafio do mercado audiovisual. Estamos preparados para produzir conteúdo audiovisual de qualidade e isso só é possível porque somos presentesconsistentes, colaboradores, criativos e transparentes.

Especialistas

Nosso time é formado por especialistas. Mesmo! Seu projeto passa por pesquisa, análise, roteiro, criação, execução e finalização e isso é feito por uma equipe toda, unida em prol de um objetivo: compreender e entregar as reais necessidades dos nossos clientes.

  • Instagram - Onze Trinta Produtora de Vídeo
  • Vimeo - Onze Trinta Produtora de Vídeo
  • Facebook - Onze Trinta Produtora de Vídeo SP

© 2020 todos os direitos reservados